sexta-feira, 16 de julho de 2010

Larga do pé, CHULÉ.

Hoje ao tomar banho veio um assunto meio complexo na minha cabeça e resolvi postar aqui. Montei uma teoria significativamente lógica para aqueles casos de pessoas que se apaixonam loucamente por quem não as querem. Pensem comigo, o ser humano em geral não aceita ser rejeitado, quando isso acontece ele é capaz de tudo para ser aceito, até mesmo matar em situações extremas. Nos relacionamentos acredito ser a mesma coisa, quando estamos afim de uma pessoa, e a mesma não nos quer, nos sentimos rejeitados, por isso criamos a ilusão de estarmos gostando dessa pessoa, mas na verdade só estamos querendo ser aceitos por ela. E quando não conseguimos essa aceitação podemos surtar, como aconteceu com o Lindembergue, o homem que matou a ex namorada Eloá a uns anos atrás por não aceitar ser trocado. Faz sentido não faz? Então se você está em uma situação parecida com essa, desencana, você não gosta dele(a) de verdade, toma vergonha na cara e parte pra outra, até pq. se um dia você conseguir conquistar essa pessoa (se conseguir) vai acabar todo o encanto rapidinho, pois não é um sentimento verdadeiro, ok? Mas por um acaso se você tiver motivos para querer fazer alguém passar por isso é só você dar um pouquinho de atenção e depois fingir que ela é indiferente, funciona! (6') Mas não é uma coisa muito bacana de ser fazer, por mas que existam pessoas que mereçam. Rsrs.
Mas o pior de tudo isso é quando acontece sem querer, você fica com a "criatura", é legal com a "criatura" mas a bendita "criatura" não entende que o lance acabou por aí, mesmo você dando todos os indícios. Aí pronto! A pequena "criatura" não larga mais do seu pé, se torna uma pessoa chata e inconveniente. Está aí mais um motivo para você que se encontra em um situação parecida com a que eu citei lá no começo, desistir de tentar ser aceita(o) por quem não te quer, pois com toda certeza você está sendo uma PENTELHAÇÃO na vida de alguém, então por favor . Bom, vou parando por aqui pois agora eu vou comer uma boa pizza. :*

quinta-feira, 8 de julho de 2010

A menina do armário.


Preciso arrumar algo interessante e que não gaste muito dinheiro pra fazer nessas férias antes que eu morra de tédio. Meu sono já está ficando cada vez mais desregulado, minhas calorias devem estar aumentando e eu ando ficando cada vez mais preguiçosa, coisa que eu sempre fui na verdade, lembro quando eu sismei de ir estudar na escola onde meu primo e meus amigos estudavam, lá em Pinheiros, achei que ia ser o máximo, porém, tinha me esquecido que lá era uma daquelas escolas tradicionais católicas, minha cara uma escola assim, né? Pois é, não aguentei 3 meses inteiros e já estava inventando mil desculpas pra não ir para a aula, mas como a minha preguiça era muita para ficar na rua matando aula logo cedo eu tive a brilhante idéia de ficar escondida no armário. Na hora que estava todo mundo dormindo eu esvaziava um dos armários do meu quarto, pela manhã eu acordava, fazia um pouco de barulho, mexia nas chaves da porta, pra dar a impressão de que eu estava saindo, e ficava dormindo mais de 1 hora dentro do armário até todos irem trabalhar, enfim, voltava a dormir na minha cama. No primeiro dia eu sofri bastante, sai toda torta, mas depois com a experiência eu fui aprimorando a coisa toda, colocando almofadinha, cobertor... Teve uma vez que minha mãe quase me pegou. O armário onde eu ficava, era o armário onde eu guardava o ferro de passar roupa, e lá de dentro eu escutava ela falando que tinha que passar a calça para sair, ela entrou no meu quarto (para pegar o ferro obviamente) e ao invés de pegar o ferro ela decidiu pegar uma calça que eu tinha deixado em cima da cama, UFA! Eu já estava imaginando o que eu iria falar na hora que ela abrisse a porta do armário e me visse ali, minha melhor desculpa era me fingir de sonâmbulo. Que vergonha que eu iria passar! Moral da história, quase perdi o ano, tive que correr muito atrás pra recuperar minhas notas, e é claro que eu tive que mudar daquela escola pra conseguir isso. Mas acho que não era só eu que não suportava mais aquele lugar, eu sai de lá no meio do ano e depois fiquei sabendo de vários alunos que também foram saindo, e adivinha? A escola fechou assim que acabaram as aulas, juro! Não foram bons tempos, mas é bom recordar...


terça-feira, 6 de julho de 2010

Acho que fiz um bom negócio...


É, faz um tempo que eu estava com vontade de fazer um Blog. Acho um meio de expressão meio solitário, porém me foi muito atraente, não estou muito preocupada em quantas pessoas vão ou não vão ler as coisas que eu escrevo aqui, mas é mais interessante do que um diário, acho que tive uns 3 diários na minha adolescência toda e sempre escrevi neles como se alguém fosse ler um dia, assim como o "Diário secreto de Laura Palmer", sei lá né, vai que eu sou assassinada de forma misteriosa e ele acaba virando um livro, tinha que ter cuidado com as palavras, sempre tive a impressão de que minha vida era mais interessante do que realmente é, ou que talvez fosse se tornar mais interessante. De qualquer forma, escrever aqui é mais atraente justamente por esse detalhe, alguém (que não é minha mãe tentando descobrir as coisas que eu apronto) pode ler as coisas que estão aqui, na minha cabeça. Acho que fiz um bom negócio ...